Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,06 4,06
EURO 4,78 4,78

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Prazo para responder a pesquisa do CNJ sobre perfil dos magistrados termina na sexta-feira (18)

CNJ quer conhecer juízes, desembargadores e ministros de todo o país | Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ Termina nesta sexta-feira (18), o prazo para que juízes, desembargadores e ministros de Tribunais de todo o país respondam a pesquisa “Perfil Sociodemográfico dos Magistrados Brasileiros“, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Elaborado sob a presidência da ministra Cármen Lúcia, o levantamento visa coletar dados para construir um perfil dos magistrados para formulação de políticas direcionadas à categoria. O objetivo é manter o Conselho informado sobre as principais características dos magistrados, considerando que o último Censo do Poder Judiciário foi realizado em 2013 e que o próximo será feito apenas em 2020. Em 9 de abril, a ministra Cármen Lúcia começou a enviar e-mails aos juízes, desembargadores e ministros com link para a pesquisa. O e-mail foi enviado para integrantes das Justiças do Trabalho, Estadual, Eleitoral, Federal e Militar Estadual, além dos Tribunais e Conselhos Superiores. Leia também: Trekking dos magistrados será em agosto na Pedra do Sino Mais de 300 mil presos já estão incluídos no cadastro nacional TSE cria grupo de trabalho para aplicar novo CPC no âmbito da Justiça Eleitoral Basta fornecer o CPF como senha de acesso para o questionário com 28 questões, que são respondidas em aproximadamente 5 minutos. As perguntas tratam exclusivamente de dados de caráter social, demográfico e da trajetória de carreira, com questões sobre gênero, estado civil, quantidade de filhos, local de nascimento, escolaridade dos pais, ano de conclusão da graduação em Direito, ano de ingresso na magistratura e capacitação, entre outras. As informações são confidenciais e serão mantidas em absoluto sigilo pelo CNJ. Não haverá pulgação de dados inpiduais, apenas de informações estatísticas agregadas. Até o momento, o Rio de Janeiro registra o menor percentual de respostas do país. “Para mantermos nossa histórica participação, peço que nos ajudem a superar o índice da região Sudeste e respondam o questionário”, solicitou a presidente da AMAERJ e vice-presidente Institucional da AMB, Renata Gil.
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia